Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Maio, 2005

sem título

meu estilo
etílico
destila
veneno
inócuo
:
palavra
líquida
que inoculo
na veia
da folha
pálida

rima
falha
que vagueia
do imo
ao limbo
da escrita
volátil
:
fértil-fútil

num átimo
[ébrio]
até ultimo
um ótimo
poema

num estalo
[lúcido]
mando a-penas
pelo ralo


valéria tarelho

blue note

ouço um blues
e busco
verdes dreams
no lusco-fusco

: qualquer mint
que se aproxime
ao [gradiente]
relva-fresca-tua-iris

atrás das lentes
lembro:
era eu
no espelho green

ante a mim
-and so mines-

: your eyes

[olhos tão meus
just once]

note: a noite tem a nuance do teu nome
escorrendo pela face

valéria tarelho
b. b. king :
"always on my mind"

camuflagem

hoje, sexta-feira
estou mais ativa
fim de semana recebo visitas
com essa cara
de paisagem futurista

segunda, dia de pasmaceira
desfaço a maquiagem
e volto a ser eu lesma

arrastando pela casa
essa minha natureza-
cinza

valéria tarelho
fotografia: Jacob Lopes

(p)referências

jeans: blue ou black
whisky: scotch, on the rocks
todos os books e looks
de Leminski, of course




valéria tarelho

indefinido

algo nele
atrai e repele
algo nele apela:
assopra e fere

algo nele
flui e esvai
algo ui
algo ai, ai

algo nele suplício
algo súcio:
causa caos
(re)clama paz

algo nele chama
algo água
algo aquece
algo apaga
pega e larga

algo que não sei quê
nem soube como
amo e temo nele

ele, não sei quem
se existe mesmo
ou é algo assim
que imaginei


valéria tarelho

hipoderme ou flor da pele

abomino meios-termos
: quase
talvez
tepidez...

sou de extremos
: oito ou oitenta
o ínfimo
ou o supra-sumo
o chão ou apogeu

certa ou errada
escolho
muito ou pouco
tudo ou nada
e não hesito

: no quesito homem
pouco importa
se anjo ou se demônio
humano ou mito

desde que eu ame
ao extermínio

valéria tarelho

reflexiva

alguém que me sentisse
além do prazer
alguém que pudesse
ler-me do avesso
de ponta cabeça
do fim ao começo
alguém que me visse
menos corpo
mais sentimento
alguém que me percorresse
do índice ao último capítulo
alguém que em braile
sânscrito iídiche
e no idioma da alma
me traduzisse


valéria tarelho
pondo o poema abaixo, nos eixos

reflexiva

da série: "vale a pena ler isso de novo?"
~> poema do extinto blog mar & cia

cedilha

second chance

quem perdeu o Metrópolis de ontem, pode assistir ao vídeo com a matéria sobre a biografia de Torquato Neto (Pra Mim Chega), clicando AQUI.

~> de tudo, um pouco: entrevista com o autor (Toninho Vaz), trechos das leituras de poemas (Ademir Assunção, Valéria Tarelho e Elson Fróes), takes dos festivais e o principal: Torquato.

Mais Torquato: lançamento do livro em Fortaleza e o evento Piauí Sampa

hoje, 18/05, lançamento de Pra Mim Chega em Fortaleza, a partir das 20hs, no Centro Cultural Dragão do Mar, Praia de Iracema.

dia 21/05, no Mercado Municipal de São Paulo, estará acontecendo a montagem Torquatália, no evento Piauí Sampa (quem visita a mostra tem a oportunidade de conhecer um pouco da história e da cultura do Estado do Piauí, através das exposições de artesanato, festivais gastronômicos, performances musicais e uma homenagem à obra do poeta Torquato Neto. O encerramento do evento será dia 22, domingo).


Chega? Ou vocês querem mais? ;o)

Mimetismo (ou quase)

Aqui, as noites têm sido quentes. As tardes, tórridas, sem vento. Ausente de movimento, também a vida. Estática. Visivelmente pragmática. Previsível.

Aí, não sei como anda o tempo. Você nunca me diz se chove ou faz calor intenso, se está propenso a raios ou chuva de granizo. Então invento um tempo de equilíbrio, adequando meu mundo ardente a tudo o que não compreendo. Porque não sei, do vento, as causas. Porque, das asas, só conheço o efeito de não tê-las. Crio, acolá, um clima cálido: morno-dor-mente. Chamo por Favônio, que, solícito, me atende, abrandando a condição de agito que me ferve. E tapo o sol em meu peito com uma cortina de neblina. Fina, tecida em voal, forrada de renda, franzida. Teatral, na medida.

Vida baça, tépida, na dimensão que forjei: nem lúgubre, nem alegre em demasia. Aclimatada. Adaptada ao meio.

Lá, vivo quase. Vivo talvez. Vivo acho. Sobre vivo.

Em contraste com a alvura da neve, algures.


valéria tarelho
mudança de planos...fica valendo para amanhã (terça), o post abaixo.

Torquateando, ainda...

...e sempre.

Hoje, no programa Metrópolis - TV Cultura-SP, às 21h45, entrevista com Toninho Vaz a respeito de seu livro Pra Mim Chega - a biografia de Torquato Neto.

O Metrópolis pode ser visto, também, via Internet (necessário Windows Media Player), às 21h40:

http://www.tvcultura.com.br/metropolis

Após a entrevista, houve leitura de poemas de TN ~> participei, meio que à beira de um ataque de nervos ;o)

Confiram!
imagem © Dee Whitten


caridosa
tem o maior prazer em dar
sem olhar a quem
:
cheia de bondage
venda-se

valéria tarelho

dangerous

para o nosso bem
é bom que você fique aí
exatamente onde
a gente se desencontra:

eu, no seu canto [mudo]
você, no meu cantar [silente]

sigamos em frente
retas paralelas
ao invés de vias curvas
rotas tortas

pois sempre que a gente abusa
e cruza
causamos acidentes
e múltiplas fraturas
expostas


valéria tarelho

Logo mais estarei em Sampa City, na Casa das Rosas, onde faço a oficina de criação poética do Frederico Barbosa.
O curso termina no próximo sábado (21/05) e haverá um recital às 18hs. Estão todos convidados!
Av. Paulista, 37 - estação Brigadeiro, do metrô.

disk-petisco

sou o alimento delivery
que ele usa
e depois congela

quando quer me provar
consulta suas páginas amarelas
e, num instante, o disque
mulher-cadastro o atende a domicílio

se, por acaso, não me encontra
vasculha o freezer
tem sempre uma sobra minha
entre o "sorverte" e outros acepipes


valéria tarelho
1. poema declamado pelo grupo Viva Voz, no recital Eras de Eros - Itaú Cultural-SP, abril/05
2. poma do livro d.n.a., lançado em março/05 pelo projeto PNOB, com apoio da Casa das Rosas e Secretaria de Estado da Cultura
3. da série: "vale a pena ler isso de novo?" » poemas do extinto blog mar & cia

gifts

1.



"Caro assinante,

Seu site pessoal está como destaque da seção "Os mais bacanas" da home page de UOL Sites (www.uol.com.br/sites).
Parabéns pela qualidade do site!

Atenciosamente,
Equipe UOL"


~~> não sei onde eles viram sexo por lá, mas esse detalhezinho aumentou consideravelmente o número de visitantes no site (que sairam frustrados, imagino).
Valeu, UOL!!!

2.

Recentemente, o blog foi visitado pela Mirella, do Encantos e Paixões, que me presenteou com duas páginas em seu site: os poemas autodefesa e delírio.
Meu carinho e-terno!

3.

Acabo de receber um mimo diretamente de Portugal: o poetamigo Luis Miguel, do Vertentes me enviou um livro com poemas de Florbela Espanca (acertou em cheio, adoro ela!!).
Faço minhas, as palavras do beija-flor: “Podem os quilômetros separar-nos realmente dos amigos? Se você quer estar com alguém a quem ama, já não está lá?” (Longe É Um Lugar Que Não Existe, Richard Bach). E não existe mesmo.

por um fio

somos soltos
(b)ambos

somos um ponto
e outro
costurando o todo

somos lassos
mesmo quando atamos
nossos atos (falhos)

somos desembaraço
alinhavando a (rota) rotina

somos eu e tu
dois traços a v u l s o s
a um passo do impulso
de
sair
da
linha


valéria tarelho

dando um rolê

felizmente, fui! a gripe deu um tempo e o frio saiu de férias, ao menos ontem: noite de quarta. noite de lua nova na velha sampa [o avesso do avesso do avesso do avesso]. noite de verso, vinho, vaz (o toninho, da dona ondina). noite de tristeresina & nosferato: "Torquato Pereira de Araújo, neto (assim mesmo, com vírgula e letra minúscula)" (sic)

li o poema "pílulas do tipo deixa-o-pau-rolar. na mesma base: deixa". sobrevivi ;o)
os poetas ademir assunção, claudio daniel e elson fróes também fizeram suas leituras e toninho vaz leu um poema de hermínio bello de carvalho, dedicado ao amigo torquato.

"eu, pessoalmente, acredito em vampiros. o beijo frio, os dentes quentes, um gosto de mel"
tn (t) ~> "a explosão tropical"

ninguém saiu ferido. todos, torquata-mente, tocados:
"desafinar o coro dos contentes. let's play that".



[ toninho vaz concedeu uma entrevista ao metrópolis - tv cultura
(que vai ao ar de segunda a sexta, às 21h45).…

quarta-feira de sim, zaz!!

"simbora" ~> a partir das 19hs, em SP: Rua Fidalga, 162, Vila Madalena, Ed. Casa Amarela ~> lançamento de Pra Mim Chega - a biografia de Torquato Neto.

~> fui convidada pelo autor [Toninho Vaz] para ler um ou dois poemas de TN.
outros convidados (não sei dizer se todos estão confirmados) : Arnaldo Antunes, Frederico Barbosa, Cláudio Daniel, Ademir Assunção, Mano Brown, Ferréz...

~~> nem tudo são flores: uma gripe do "tarelho" talvez me impeça de participar, mas estarei lá prestigiando o Toninho e demais poetas [nem que eu vá de maca].

~~~> e pra quem for, nos vemos na casa amarela [procurem uma cara pálida de nariz vermelho que tá tudo azul]

a a a a a a a a a a atchim!!!

capricho dos deuses

[ou freudam-se os mitos]

aqui jaz um amor
que nasceu há tempos:
manco cego
mudo surdo
sem braços palato peito
desprovido de sexo

nasceu anencéfalo
o pobre coitado
e – para espanto dos amantes -
o coração pulsou
muitos anos
driblando a morte eminente
:
eros zombando de tanatos


valéria tarelho

ando que ando: torquateando

porque pra mim, não chega

» duas matérias sobre a biografia - a primeira sobre a história de vida de Torquato Neto - e a importância da obra de Toninho Vaz, que vem preencher uma lacuna de 33 anos, após a morte do poeta.

jb online » Pronome pessoal e intransferível
Grande nome da Tropicália, o poeta suicida Torquato Neto ganha biografia não autorizada pela viúva

no mínimo»Torquato, uma figura em pedaços


capa do livro

lançamento da biografia de Torquato Neto

Pra Mim Chega (de Toninho Vaz, autor de Paulo Leminski - O Bandido Que Sabia Latim)

no Rio: dia 05 de maio, quinta-feira, a partir das 20hs ~> Livraria da Travessa, Rua Visconde de Pirajá, 572, Ipanema e, também, dia 13/05, na Bienal - pavilhão 3, estande 215.

em SP: dia 11 de maio, quarta-feira, a partir das 19hs ~> Editora Casa Amarela, Rua Fidalga 162, Vila Madalena.

~~> no lançamento do dia 05 (Rio), haverá leitura de poemas de Torquato Neto, feitas por Maria Gladys, Claufe Rodrigues, Roberto Bonfim, Pedro Bial e Mano Melo. Participação especial de Selma Reis e Ivan Cardoso.

Cogito

(Torquato Neto)

eu sou como eu sou
pronome
pessoal intransferível
do homem que iniciei
na medida do impossível

eu sou como eu sou
agora
sem grandes segredos dantes
sem novos secretos dentes
nesta hora

eu sou como eu sou
presente
desferrolhado indecente
feito um pedaço de mim

eu sou como eu sou
vidente
e vivo tranqüilamente
todas as horas do fim.

revôo

dia desses
deixei um bilhete
na porta do freezer:

"fui ali ser feliz
e já volto"

aí saí afoita
ao encontro
dessa tal felicidoida

o curioso foi que a vi
frente a frente

o triste
é que voltei
como disse



valéria tarelho

lento, l e n t o...

para carlos willianeu sou
aquela
garota
do adeus
debruçada
na janela

à espera...

eu sou
aquela
moça
- sem visão -
mirando
o horizonte
do nada
do vão
da vidraça

há espera

eu sou
aquela
senhora
- sem mãos -
íntima
de quem
não fui
tricotando
a hora
última

[á spera]

espreguiço
o sono
lento nó
das eras

à janela
sou
todas elas:
pássaro

aceno
ao vento
ameno
enlaço
o tempo
vasto
vôo

há braços

valéria tarelho

domingo

gravura © Viola Lee

domingo
a missa
o vinho
a hóstia
a massa

domingo
a mesa posta

domingo
sangue & corpo
frango & fritas
trago & intriga

domingomisso
domingobeso
domingostra
cismo

semana vai
semana vem:
domingoooool
domingo ao sugo
domingo amém


valéria tarelho