Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Abril, 2005

ânima & (lág)rima

fui criada ao acaso
em meio a uma crise
de insônia
(maybe um orgasmo
de insânia)

posso ser um último ato
(sem direito a reprise)
algo límpido
algo lúcido
implícito no desatino
de um deus-menino
(perhaps algo sujo
no jato do gozo
de um diabo adúltero)

possuo fases de lua
- inúmeras faces -
repousa em meu peito
um vulcão dormente
- que no leito irrompe -
cúmplice do vento
sou o disfarce que ele ousa
e quando caio das nuvens
desmancho em magma

(talvez não passe de um dueto
entre inferno
e firmamento

quem sabe poesia humana
refém saída da lama
à superfície da alma)


valéria tarelho
publicado na máquina do mundo, nº 1, abril/05

hot

apesar de pé gelado
tenho sorte

graças a um estoque
de socks:

meias-
verdades
que ele me deu
de presente


valéria tarelho
da série: vale a pena ler isso de novo?
~~> poema resgatado do mar & cia
na casa dos quarenta +

dois *pecados e um poemínimo

* como diz o slogan de um motel aqui da cidade: "pecado, é não conhecer"

1.
dia 28/04/05 - quinta-feira - às 19h30

ERAS DE EROS

O grupo Viva Voz
(Clenir Bellezi de Oliveira, Frederico Barbosa e Marcelo Ferretti) convida para o recital de poesia, de Safo aos contemporâneos, abordando os temas do amor e da sexualidade com a participação especial da celista Josie Guimarães e seu grupo.

Itaú Cultural
Avenida Paulista, 149, São Paulo - SP
Estação Brigadeiro do Metrô
Fone: 2168-1776
- Entrada franca -


2.

lançamento da 2ª edição - 2000 exemplares
autor: Toninho Vaz
Ed. Record

dia 30/04/05, sábado, no Pólo Avançado do Sesc Araçatuba - SP,
durante a exposição O BANDIDO QUE SABIA LATIM

Rua José Bonifácio, 39
Araçatuba - SP
Informações: (18) 36085400


3.
meu homem madrugada
tarda
quando eu cedo

valéria tarelho

C'as mões

Não sei escrever sonetos.
Não consigo medir o tamanho
dos desastres que escrevo,
nem as consequências das burradas que faço.
No máximo, rabisco uns poemas caolhos,
inspirados nos meus percalços.
E a vida me dá o troco:
ora em aplausos,
ora em socos.


valéria tarelho
publicado no Livro da Tribo 2005

rusgas

sexo faz bem
para a derme.

não durmo
sem praticar
meu ritual
de cremes.

valéria tarelho

súplica

tenho dois olhos
[mudos ]
que se recusam
a ver o óbvio

uma boca
[cega]
que se nega
a dizer adeus

um coração
que pensa
uma cabeça
que pulsa

e estas mãos
[descalças]
ajoelhadas
a teus pés


valéria tarelho

(en)tanto

"A felicidade é como a pluma
Que o vento vai levando pelo ar
Voa tão leve
Mas tem a vida breve
Precisa que haja vento sem parar"
Tom /Vinícius

não creio
em carma causa efeito
acaso destino
assim estava escrito

acredito
na brisa que passa
na brasa que bisa
na bossa nossa

no tom no tato
no tento
eu e tu: momento

valéria tarelho
da série: vale a pena ler isso de novo?
~~> poemas do extinto mar & cia

sabotagem

[Hoje meu pai estaria comemorando 73 anos, ao lado dos netos que não conheceu.
Ironicamente, ele se chamava Jovem e faleceu em 1980, aos 48 anos, de câncer.]

rapidinhas

1 » "poemeu" publicado no Jornal do Cerrado ~~> um dos primeiros que escrevi, em 2002, e brinca justamente com o fato de eu começar a expor meus rabiscos. o grande culpado pela publicação é esse moço.

2 » momento covardia: ele já é bom escrevendo, precisava desenhar legal também? aí ele une as duas artes e dá seu show. dá pra competir? ;o)

3 » atualizei o proseares com o "textículo": pet shop mundo homem.

essências

se meus versos
tivessem odor
exalariam aroma de fumo
sexo
suor
e algo sorvido
on the rocks
que, ao escrever, destilo
sem estilo algum:
álcool
sangue
veneno

- gelo não tem cheiro -


valéria tarelho
da série: "vale a pena ler isso de novo?"
~~> poemas resgatados do extinto mar & cia

dois, pelo dia internacional dele

1

beso
kiss
baiser
bacio
Kuß
接吻

beijo:

cada boca
pede
toda língua
pode



2

beijo poético

beijo na boca:
lábios língua saliva
lascívia úmida
a minha&sua lábia
líquida

poesia nossa
fundida
[sem pressa
nem prosa]


valéria tarelho
ilustração de tenini

niver da mi

~~>mi é minha maninha
[minha mãe queimou a receita ;o)],
apenas vinte anos mais nova!

caramelo

trufa, coco queimado
brigadeiro, nega maluca
pão de mel, paçoca...
ela é compota de fruta
com cravo & canela:
mi, mila, milena
minha doce mana morena

parabéns, miloca!!! LoVeU!

sem título

deus me prive
de provar do óbvio:
ópio dos pios
óbice dos ímpetos
óbito
de todo impacto

e me jogue
em um vórtice
indique
uma contenda
profira
um veredicto :

vagar no labirinto
dos versos incrédulos
e que amar a esmo
seja um perpétuo vezo

[nada razoável]


valéria tarelho

lançamento do PNOB nº 19

O PNOB estará em SP e RJ!!! Com mais uma edição, festa, shows, expos, livros, saraus, direito presentes, sorteio de jantares e drinks, compartilhar de bons amigos e de ótimas oportunidades de reconhecimento dos talentos:::

Em SP

Dia 14 de abril (Quinta-feira) das 20 até o último cliente
CAFÉ DO BEXIGA Rua 13 de maio, 76 tel 11 3259-6059
Contribuição PNOB: R$ 10,00

SHOW - Ito Moreno - apresenta o repertório do CD "Válvula de Escape". E outras canjas maravilhosas ... (traga o seu talento e compartilhe do palco!)
PRÉ-LANÇAMENTO DO LIVRO - Rui Magrini - PARIS 1870 Um livro que vira filme - A vedada história dos Comunas
EXPO - Coletiva Escola Riguardare - uma coletânea de fotos dos alunos em exposição e projeção em telão
HUMOR - Piadas de Jorge Paulo homenageando o Piada no Boteco

No Rio

Dia 16 de Abril, no Sábado das 18 às 21:30 horas
CAIS DO ORIENTE vide http://www.caisdooriente.com.br
Na Rua Visconde de Itaboraí, nº 8 Centro tel: 21 2233-2531
Contribuição ao PNOB: R$ 10,00
Na oportunidade a…

crime perfeito

você aquipodia rolar um showrisadas do chopp
rodadas de eufariapodia pó & cianudez ambi-enteblues na poesiapodia agente [e a gente, podia]

podia, no ar, impuro sexoincesto de sândaloincenso de escândaloteu cheiro, meu sumosem senso nem documentosem bom lenço
sol podia chover a cântaroslua, a pino, curtir um bronze podia a era que fosseque desse na calha
que viesse a telharpodia, até, parodiar vandré"quem pode faz agoranão espera a noite ser"

podia um deserto no rushpodia um mu(n)do diserto
podia, so muchimpulso na causapausa & feitoum ciclo completo

hamor com umor, podia tantona ora herrada, na hexataorade hir hembora- tua partida [hora bolas!]
contém o erro da re-visão que não contenho -
podia nem tudonão tãoe nada disso:podia você comigo- armados de nós -cometendo um saudadecídio