Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Maio, 2012

fa fe fi fo fu

família felicidade filhos fotos fuga da rotina
domingo passei por Guarujá, Santos, rumo a São Vicente, onde almocei com TODOS os filhos, netos [sim, agora tenho, além do Theo, um neto de quatro patas, Marley], nora e maridovski. fato inédito estar com todas as crias em um mesmo dia, haja felicidade!!! norinha preparou [entre outras coisas] uma tainha e um pavê de sonho de valsa dos céus, tá aprovada para cuidar de meu tesouro (^з^) filmei quase todo o trajeto da orla da praia entre Santos e São Vicente, assim mato a saudade quando ela me atacar \(^.^)/

fam_ilha:  eu, cercada de filhos por todos os lados


sem fundos

não tem dinheiro no bolso
no banco ela está no vermelho
quebrou a cara na bolsa
já era a bela poupança
:
não rende mais
nádegas



*publicado no "curta-metragem" em 21.05.12

Julio

A companheira


Mais do que nunca a poesia, hoje mais que nunca, com seu exorcismo de chacais, com uma chama purificadora e sua memória obstinada. Açoitada por uma história vertiginosa, onde nos perdemos no redemoinho astronômico da informação, a poesia mais do que nunca: seus olhos seletores fixando o que não temos o direito de esquecer, salvando pássaros, instantes mágicos como o brilho de luzes cintilantes, como auroras soberbas, luas, a beleza, a dignidade da vida. Mais do que nunca, ali onde abutres de fora e de dentro assanham-se contra os olhos abertos de um povo, arrancam e destroçam as flores do sorriso e o sonho: caricaturas de si mesmos, milionários e coronéis cheirando à morte; contra eles, mais que nunca, a poesia. Na memória dos homens que lutam, ela é sempre uma fonte de armas, a chama do fogão e a espessura dos montes, o trago d'água, a que estende a mão à batalha e ao repouso. Mais que nunca a poesia, porque nela faz ninho o futuro. 
Julio Cortázar

** desconheço o[a] tra…

babel

ilustração de Jan Limpens

o the end foi reticente
saiu à francesa
falando grego
típico discurso
para inglês ver

foi russo
e sem intérprete

pé na bunda gringo
nem com tecla sap
google translate
psicanálise

traduzo


valéria tarelho
*publicado no "poema curta-metragem" e "Poema Dia", em 14.05.12

direto do jardim do poeta

Em junho de 2011, o poeta e jornalista Rubens Jardim deu início a uma série denominada "As mulheres poetas na literatura brasileira" e estou lá, nesta 20ª "florada", junto com as flores acima.
Confira em http://www.rubensjardim.com/blog.php?idb=32080

"se alguém perguntar por mim...

...diz que fui por aí". 




as últimas do lácio

cultivo estas flores
- olavo -
incautas e bélicas

e algumas mudas
me fuzilam
do alto de seus galhos
- pátrios -
enquanto fal[h]o
- forasteira -
com os botões





a ver navios

seu olho céu & sea oceano onde me atlantico mar que  ártica articulo [m]ilhas pacifico ondas
seu tsunâmico olho [amistoso em sonho] fosse lago manso  leito de rio piscina olímpica [eu] mergulharia
ao que tudo indica

valéria tarelho
*foto de Lydia/Owl, que deu o nome de Henry ao pássaro
**publicado no poema curta-metragem em 30.04.2012