leitores via feed assinar feed do blogassine textura por email

28 novembro, 2014

sem título

por valéria tarelho em , , ,

quem sabe
o sábado
seja um dia
líquido
e a solidão
escorra
pelo ralo
no domingo

quem sabe
o sábado
[seco]
seja assim
um absinto

e o domingo
[amargo]
um cão amigo



valéria tarelho

Bookmark and Share

a lu[cide]z apagou

por valéria tarelho em , , ,

josé deu no pé
caiu no mundo
o zé [do povo]
topou na pedra
esqueceu tudo

e agora senhores
e agora senhoras
vi josé seguindo
meio sem rumo
pelo caminho
das sete faces
ri[ma]ndo
:
"me chamo
raimundo"
josé é disfarce

e agora
você
?


valéria tarelho

dia D 2014

Bookmark and Share

diamond

por valéria tarelho em , , , , ,

se a pedra
de drummond
é preciosa
- darling -

imagine
quantos quilates
pesa
a palavra pol[u]ida
de adelaide


valéria tarelho

para Adelaide Do Julinho , uma linda!

Bookmark and Share

pão de queijo

por valéria tarelho em , , , ,

pão de queijo
[ouro de minas]


de tuas minas
[carlos]
e dessa mania tua
[poeta]
por pedra e poesia

herdei a receita
roubei a pepita


valéria tarelho

*dia D 2014




A vida e a obra do escritor são contadas através de entrevistas com professores, parentes e estudiosos de seu trabalho.

Bookmark and Share

graus-cris

por valéria tarelho em , , ,

poesia
é essa febre
[sua]

soul & cio
seiva & sanha

que ofusca
o mais
convulsivo
sol



valéria tarelho
para Cris de Souza, dialogando com seu poema, abaixo:

Termômetro
A febre
Se despe
Em pele
Que pulsa:
Veste
A carapuça
(Cris de Souza)

Bookmark and Share

he-art

por valéria tarelho em , , ,

baby
eu sou toda
coração

e a razão
não bate
bem
das artérias


valéria tarelho

*para a Chris -heart-Herrmann, dialogando com seu poema, abaixo:


Sou toda coração,
livre de ter razão e obrigada
pela parte que me toca.
Chris Herrmann

Bookmark and Share

risco acentuado

por valéria tarelho em , ,

os mais graves
são as crases
não as crises
  

valéria tarelho

Bookmark and Share

(with brightness of peace)

por valéria tarelho em , , ,

Ainda moro lá, naquele beijo que você roubou. E me demoro, em todas as bandeiras que te dei. Não mudo um cheiro de lugar. Não movo o som da sua voz ao pé do ouvido, só porque um aplicativo tornou démodé esse tipo de contato íntimo. Jamais troquei seu riso solto por outros, mais contidos [que, no voar do tempo, me prenderam]. Em alguma curva dessa estrada, perdi de vista o seu olhar. A vida, que era límpida, ficou turva sem você. 
Nítido mesmo, só o endereço daquele espaço e tempo nosso. No qual permaneço. E é claro: lá estás.



valéria tarelho
*título retirado do poema "love is a place", de e.e.cummings [imagem via Pinterest]
*publicado no facebook em 29.10.14


Bookmark and Share

livro da tribo 2015

por valéria tarelho em , , ,


agendas Tribo 2015, com poemas e citações de autores diversos [entre eles, eu].
não tenho muitos exemplares e os modelos de capa são esses da foto.
modelo grande: gato preto e lâmpada.
modelo compacto: gato com casal, árvore de instrumentos musicais, bike e floreira, bike estilo vintage, figuras ilustradas e bem colorida.

~> pedidos e informações por e-mail [ vtarelho@gmail.com ]  ou inbox, no facebook [ https://www.facebook.com/valeriatarelho

Bookmark and Share

21 outubro, 2014

de espinho e pétala

por valéria tarelho em , , ,


Bookmark and Share