Pular para o conteúdo principal

súplica

tenho dois olhos
[mudos ]
que se recusam
a ver o óbvio

uma boca
[cega]
que se nega
a dizer adeus

um coração
que pensa
uma cabeça
que pulsa

e estas mãos
[descalças]
ajoelhadas
a teus pés


valéria tarelho

Comentários

Ricardo Mainieri disse…
Val :

Obrigado pela visita e comentário em meu blog.
Está agradável teu cantinho por aqui.
E o que dizer deste poema sinestésico,os sentidos todos embaralhadas como convém aos Poetas.
Belezura!

Beijão, taurina(mais uma das tantas representantes legais deste signo)

Ricardo Mainieri
Sandra disse…
Sou fã dos seus escritos há tempos... tinha perdido o caminho das suas palavras!! Feliz agora por (re)encontrá-la!! Sua poesia me silencia (psiu!) Sinto-me diante de um altar sagrado: seus versos!! Feliz...estou muito feliz por poder escrever isso aqui pra vc!! Beijo!!
Geórgia disse…
Nossinhora! 'um coração que pensa,
uma cabeça que pulsa'. Valéria, você é demais!
Anônimo disse…
Olá, Valéria. Uma alegria estar aqui. Também conheço a sua poesia há um tempão. Poesia com pê maiúsculo, contemporânea, que sabe dos caminhos, das quebras e das quebradas, feminina. Vai o seu link pra lá também, com prazer. Um beijo, Antoniel Campos.
Moacir Caetano disse…
sempre cavucando lá no fundo do meu coração, né?
Beijos!!!!!!!!!!!!!
Anônimo disse…
Sim, provavelmente por isso e