leitores via feed assinar feed do blogassine textura por email

28 agosto, 2009

sábado eu vou...

por valéria tarelho em , , ,

vamos??



clique na imagem para ampliá-la

Bookmark and Share

20 agosto, 2009

sarau e pontos de poesia

por valéria tarelho em , , ,


clique na imagem para ampliá-la

Casa das Rosas inaugura Sarau da Casa e lança mapa com os Pontos de Poesia.


O evento terá a participação dos poetas Sérgio Vaz e Micheliny Verunschk e dos músicos Felipe Soares, Emiliano Castro e Vinícius Pereira.

Casa das Rosas – Espaço Haroldo de Campos de Poesia e Literatura promove a primeira edição do Sarau da Casa, atividade que será realizada mensalmente. A cada encontro, o evento receberá dois poetas contemporâneos – diferentes entre si quanto ao estilo, à temática, à geração ou à ideologia – que serão entrevistados pelos apresentadores do evento e farão leituras de seus poemas. O objetivo é valorizar a multiplicidade e a pluralidade da poesia que está sendo produzida hoje.
O sarau também será aberto à participação do público, que terá a oportunidade de apresentar seus poemas. Para encerrar, haverá música de diversos estilos.

Nesta primeira edição, o público ouvirá chorinho, com a participação dos músicos Felipe Soares, Emiliano Castro e Vinícius Pereira.

Micheliny Verunschk, escritora e crítica literária, é colunista da revista eletrônica de literatura Cronópios e colaboradora da revista Continuum, do Instituto Itaú Cultural. Publicou os livros Geografia íntima do deserto (Landy), finalista do Prêmio Portugal Telecom de Literatura, e O observador e o nada (Edições Bagaço). Participou das antologias Na virada do século – Poesia de invenção no Brasil (Landy) e Antologia de poesia brasileira do início do terceiro milênio, publicada em Portugal, em 2008.

Sérgio Vaz
é poeta da periferia e agitador cultural. É o criador da Cooperifa (Cooperativa Cultural da Periferia) e um dos criadores do Sarau da Cooperifa. É autor do projeto “Poesia Contra a Violência”, que percorre as escolas da periferia incentivando a leitura e a criação poética como instrumento de arte e cidadania.

A cidade de concreto também faz poesia

No mesmo evento, a Poiesis, organização social que administra a Casa das Rosas, lança um mapa em que são identificados 32 Pontos de Poesia da cidade onde periodicamente acontecem saraus.

O diretor da Poiesis, Frederico Barbosa, conta que “o projeto Pontos de Poesia surgiu da percepção de que o movimento poético tem se consolidado e crescido muito nos últimos cinco anos na Grande São Paulo, espalhando-se por todos os cantos da maior cidade de língua portuguesa do mundo. Mesmo assim, quando decidimos mapear os saraus poéticos que acontecem nesta metrópole, não imaginávamos que descobriríamos tantos pontos de encontro entre poetas, escritores e amantes das letras”.

Barbosa diz ainda que “este projeto reflete a nossa crença na necessidade de se descentralizar o foco literário, espalhando suas possibilidades e riquezas em áreas carentes de literatura. Pretendemos apontar todos os locais em que a poesia está sendo celebrada e discutida, para que todos, até aqueles que ainda não são amantes deste gênero tão sintético e pungente, possam conhecer a vibrante produção contemporânea desta cidade”.

Serviço

Sarau da Casa
e lançamento do mapa Pontos de Poesia

Casa das Rosas
Espaço Haroldo de Campos de Poesia e Literatura
Av. Paulista, 37
(próximo à Estação Brigadeiro do Metrô)
(11) 3285-6986 ou (11) 3288-9447
www.poiesis.org.br/casadasrosas
www.pontosdepoesia.blogspot.com


Estacionamento conveniado:
Alameda Santos, 74
Mais informações:
Assessoria de Comunicação POIESIS
Dirceu Rodrigues (11) 3285-6986

Bookmark and Share

15 agosto, 2009

mais um adeus

por valéria tarelho



Iossif Landau agora repousa, mas sua poesia e sua prosa, pulsam.

site: http://www.iosiflandau.com
blog: http://yehudabenelin.blogspot.com


repouso


Nasci na era
do bonde puxado a cavalo,
do lampião a gás,
dos bulevares arborizados,
em casa majestosa,
pela mão de parteira,
sob o olhar severo do rabino.

Amamentado por robusta camponesa,
no meu sangue semita correm
campos de trigo,
pastos floridos,
florestas seculares,
picos nevados.

Renasci num país
de paisagens marinhas,
com palmeiras e sabiás,
à minha alma sombria,
seu feminino encanto
prometeu vida.

Abusei da paciência divina,
que seja vagaroso meu destino,
quero fluir
preguiçoso como o rio mar,
esquecer-me
dos picos nevados,
das duas existências.

Aqui repouso.


Iossif Landau

(do livro Eles, Eu, Outros, 1999)

Bookmark and Share

14 agosto, 2009

deu no catraca livre

por valéria tarelho em , ,

já está sendo anunciado o evento Poeta em Cena, que estreia no próximo dia 29, às 20hs, na Casa das Rosas-SP, data e local em que também estarei lançando o livro "Sol a Cio, em uma noite regada a teatro e poesia.


http://catracalivre.folha.uol.com.br/2009/08/encenacao-de-poemas-de-valeria-tarelho


sobre o Poeta em Cena:


Casa das Rosas - Espaço Haroldo de Campos de Poesia e Literatura

apresenta:


Projeto Poeta em Cena


A discussão sobre as fronteiras entre teatro e literatura é antiga e conheceu diversos extremos: ora a favor da arte da palavra, quando se creditou ao teatro mero status de veículo da literatura dramática, ora a favor da arte da representação, quando se julgou a palavra mero substrato da encenação. Ciente de que a “competição” entre as duas artes nasce da aceitação de semelhanças existentes entre ambas, o projeto Poeta em Cena promove o encontro entre a poesia e o teatro por meio da encenação – e não simples declamação – de poemas de autores brasileiros contemporâneos. As apresentações revelam diferentes modos de visualizar os poemas dentro da linguagem cênica.


Histórico


O projeto Poeta em Cena nasceu da necessidade de se encontrar um meio dinâmico e atrativo de difusão da obra de importantes poetas brasileiros contemporâneos, ainda pouco conhecidos pelo público em geral.
Com o apoio da Secretaria Municipal de Cultura de São Paulo, a primeira etapa da série desenvolveu-se na Biblioteca Alceu Amoroso Lima, entre agosto e novembro de 2008. A cada mês, o ciclo empreendeu a encenação de poemas de um dos autores convidados, a saber: Roberto Piva, cujo livro de estreia, Paranoia (1963), transformou decisivamente o panorama da poesia brasileira de sua época; Glauco Mattoso, controverso autor surgido na década de 1970, cuja extensa e eclética produção sobrevive a rótulos como “marginal”, “punk” e “pós-maldito”; Alice Ruiz, poeta, letrista e compositora, cuja obra demonstra, desde o primeiro livro (Navalhanaliga, 1980), que simplicidade não corresponde, necessariamente, a simplismo de composição; por fim, Paulo Ferraz, o mais jovem dos quatro poetas, cujo livro mais recente, o longo poema narrativo De novo nada (2007), alterna momentos de humor e melancolia marcados pela experiência urbana.
Mais do que provocar a representação dos textos, a primeira fase do projeto fomentou o diálogo entre artistas de mídias diferentes, abrindo espaço, no final de cada apresentação, para debate entre o poeta convidado, o diretor e o elenco.
Já na Casa das Rosas, a iniciativa encontrou outro formato, dentro do V Verão de Poesia, em janeiro e fevereiro de 2009, com a apresentação, em sequência, dos quatro poetas encenados.
Para essa nova etapa do projeto, a Casa das Rosas propôs a manutenção de um núcleo de estudos da relação entre teatro e literatura, o qual subsidiará a realização de espetáculos que têm a poesia como base dramatúrgica. Serão encenados poemas de Valéria Tarelho, Horácio Costa, Micheliny Verunschk e Ademir Assunção.

Os poetas

Valéria Tarelho
(Santos, SP, 1962)
Valéria Tarelho é representante de poetas que, inéditos em livro, utilizam-se da internet como veículo de divulgação de sua obra. A poesia de Valéria desvela um olhar perspicaz sobre o dia a dia e, em especial, sobre a relação homem-mulher. A poeta trabalha redimensionando a linguagem do cotidiano no universo poético.


Horácio Costa
(São Paulo, SP, 1954)
Sensível aos problemas da pós-modernidade, a poesia de Horácio Costa mobiliza inúmeros registros linguísticos, além de referências culturais e literárias. Poeta andarilho, situa-se frequentemente no “entre”: não quer estar nem no fim, nem no começo, nem no claro, nem no escuro, senão mostrar-se sempre em estático movimento.


Micheliny Verunschk
(Recife, PB, 1972)
A obra de Micheliny Verunschk continuamente aponta para o poder da poesia de instaurar outra realidade por meio da linguagem. A cartografia de seus poemas perfaz um caminho íntimo, mas no deserto: seco, porém mítico. Rica em contrastes, sua poesia extrai, do conflito entre aparência e essência, um inventário de belas imagens tramadas com rigor e sensibilidade.


Ademir Assunção
(Araraquara, SP, 1961)
Um olhar mítico e estranho que se instaura sobre o mundo cotidiano. Na poesia de Ademir Assunção, os ritmos confluem e as referências se confundem: rock and roll, erotismo psicodélico, cultura pop, filosofia oriental, xamãs, orixás... Nela, a porosidade do “eu” põe em xeque a percepção do real, colocando-se no limiar entre sonho e realidade.


DATAS DAS APRESENTAÇÕES:

Valéria Tarelho
Sábado, 29 de agosto, às 20 horas: apresentação teatral seguida de conversa com a poeta
Domingo, 30 de agosto, às 20 horas: somente apresentação teatral

Horácio Costa
Sábado, 26 de setembro, às 20 horas: apresentação teatral seguida de conversa com o poeta
Domingo, 27 de setembro, às 20 horas: somente apresentação teatral

Micheliny Verunschk
Sábado, 24 de outubro, às 20 horas: apresentação teatral seguida de conversa com o poeta
Domingo, 25 de outubro, às 20 horas: somente apresentação teatral


Ademir Assunção

Sábado, 28 de novembro, às 20 horas: apresentação teatral seguida de conversa com o poeta
Domingo, 29 de novembro, às 20 horas: somente apresentação teatral


SERVIÇO
Casa das Rosas – Espaço Haroldo de Campos de Poesia e Literatura
Avenida Paulista, 37
Tel.: (11) 3285.6986
www.casadasrosas-sp.org.br

Horário de funcionamento
De terça-feira a sexta-feira, das 10 às 22 horas
Sábados e domingos, das 10 às 18 horas (passível de alteração, de acordo com a programação). Convênio com o estacionamento Patropi: Alameda Santos, 74.

Dúvidas, críticas e sugestões: contato.cr@poiesis.org.br


~> e, só para lembrá-los, hoje é 14, dia de poema dia , flashback, de sol a cio....

Bookmark and Share

12 agosto, 2009

tattoo do bem

por valéria tarelho em

"Quero ficar no teu corpo
Feito tatuagem
Que é pra te dar coragem
Pra seguir viagem
Quando a noite vem..."
(Chico)




o Alemck (Hard Collors Tattoo) me convenceu a deixar aquela imagem da enquete menos rebuscada em termos de traçado e o resuldado foi esse, com menos riscos, arabescos, rococós & cia interferindo na Poesia.

amei!
;)

Bookmark and Share

10 agosto, 2009

post de hoje

por valéria tarelho em

"ciúme", no poema curta-metragem .

Bookmark and Share

09 agosto, 2009

textura news

por valéria tarelho em , ,



Concurso: Idiomaterno – uma definição para a Língua Portuguesa


~> veja AQUI o regulamento





Hora H 2009 - 7º edição


O Hora H, evento realizado anualmente desde 2003, tem o objetivo principal de homenagear e manter viva a obra do poeta Haroldo de Campos por meio de oralizações, performances, shows, apresentação de vídeos e palestras com importantes nomes da literatura contemporânea. A sétima edição – HORA H 2009 – acontece nos dias 14, 15 e 16 de agosto, na Casa das Rosas – Espaço Haroldo de Campos de Poesia e Literatura.

~> veja AQUI a programação.

Bookmark and Share

05 agosto, 2009

très chic

por valéria tarelho em , ,


dois poemas meus, musicados por Rogerinho Borges, participam do Festival L’Espirito Poitou, em Celles sur Belle, na França

De 20 a 24 de agosto Rogerinho Borges estará participando, ao lado de importantes artistas capixabas, do Festival L’Espirito Poitou, em Celles sur Belle, na França, intercâmbio cultural França-Brasil e lá irá apresentar canções em parcerias com Jorge Sales e Valéria Tarelho. “Amorosamente Cedo”, “Segredo do Vento”, “Minha casa de Ferreiro”, “Azo”, “Eu quero”, “Oz não é aqui” são algumas das canções do repertório.

SAMEDI 22 AOUT
18h30 – 20h
Apero Concert: Rogerinho Borges
Concert Musique Populaire Brésilienne
Café du Lion D’or


ROGERINHO BORGES


Rogerinho Borges é compositor e tem se apresentado ao lado de grandes nomes da música popular brasileira. Seu CD “Mistério Azul” gravado no Rio de Janeiro e Belo Horizonte tem produção e arranjos do renomado guitarrista mineiro Toninho Horta e de Cláudio Faria, com participações especiais de Paulo Moura, Nivaldo Ornelas, Juarez Moreira, Neném, Alexandre Lopes, Renato Rocha, e Kiko Mitre. Tem parcerias musicais com Heitor TP (ex Simple Red), Jorge Sales, Fabio Flôres, Zé Antônio, e as poetisas paulistas Valéria Tarelho e Eliane Guaraldo. Na cena musical capixaba além de músico é produtor e apresentador do programa Espírito Capixaba, na Rádio Universitária FM 104.7, que divulga a cultura do Espírito Santo.

rogerinhoborges@uol.com.br


azo
[a ana c., ave]


o pássaro
pousa
passivo
na pauta
do poente
pausa
em compasso
de espera
passa tempo
tempo passa
pensa
pondera
ousa
e abre
as asas
rumo
ao sol
no fim
do túnel


oz não é aqui


o tédio
[ tema batido ]
de todo dia

a taquicardia
[ velha amiga ]
do peito tísico

o trauma
[ antiga trama ]
dos medos de tranças

o tempo
[ a toque de valsa ]
tricotando detritos

sorrir para o sol
que sai de assalto
e entra em cartaz
:
truque [ frustrado ]
de aprendiz

[ tornado
possível
é só
um invento
over
the rainbow
]


letra: valéria tarelho
música: rogerinho borges

Bookmark and Share

03 agosto, 2009

convite - terças poéticas, em B. H.

por valéria tarelho em


clique na imagem para ampliá-la

Bookmark and Share

01 agosto, 2009

curtam

por valéria tarelho em , , , ,

pessoas, a convite da Neusa Doretto (vide 'elos'), passei a colaborar com o blog poema curta-metragem, "porque meus olhos querem logo e meu coração tem pressa" (sic).

o post de hoje está lá, aguardo vocês!!

dia 29/07 atualizei o sol a cio com mapa da loalização da Casa das Rosas, palco da estreia do Poeta em Cena e lançamento de meu livro.

e por falar em Casa das Rosas, hoje acontece um projeto muito bacana lá chamado Um Teto para meu País:



Um Teto para meu País é uma organização latino-americana sem fins lucrativos, liderada por jovens que procuram melhorar a qualidade de vida das famílias que atualmente vivem em situação de pobreza, por meio da construção de casas emergenciais e de planos de desenvolvimento social.

No dia 1 de agosto, a organização promoverá atividades na Casa das Rosas. Será construída uma casa de 18 m², de madeira pré-fabricada, na área do jardim. Dentro dessa casa, serão ministradas oficinas de literatura e poesia com temas relacionados à pobreza. Durante o dia inteiro, estará aberta ao público a exposição de fotos “Encontro de Realidades”, que retrata o desenvolvimento do projeto nas comunidades da Grande São Paulo em que a organização já atuou, além de um debate, às 19h, que discutirá a produção cultural na periferia. é uma organização latino-americana sem fins lucrativos, liderada por jovens que procuram melhorar a qualidade de vida das famílias que atualmente vivem em situação de pobreza, por meio da construção de casas emergenciais e de planos de desenvolvimento social.

PROGRAMAÇÃO

11h - Apresentação do trabalho da organização.

Oficinas de literatura e poesia com temas relacionados à pobreza:

13h - Ivan Antunes

15h - Sacolinha

17h - Wagner Sampaio

18h - Improvisação de rap e projeção de imagens.

19h - Debate sobre a produção cultural da periferia: "Construindo na periferia: poesia, literatura e mãos à obra!".


SERVIÇO

Casa das Rosas - Espaço Haroldo de Campos de Poesia e Literatura
Av. Paulista, 37 - Bela Vista - São Paulo - SP
Fones: (11) 3285-6986 / 3288-9447
E-mail: contato.cr@poiesis.org.br
www.casadasrosas-sp.org.br

Estacionamento conveniado Patropi: Al. Santos, 74

Bookmark and Share