leitores via feed assinar feed do blogassine textura por email

15 junho, 2011

pós-pago

por valéria tarelho em , ,

dia após dia
a - dura - vida
empresta um troco
presta um fôlego
dá um extra
credita bônus
na conta do tempo

chispa fagulha crepita
põe pilha
assopra a brasa
queima até
o devido [infalível]
enfim cinzas

a vida é dívida
a perder de vista
contraída com a morte certa

débito pré-datado
amortizado
em incertas parcelas


valéria tarelho

Bookmark and Share

3 comentários:

Dilmar Gomes disse...

Bonito poema, amiga Valéria.
Um abraço. Tenha um bom dia.

Renata de Aragão Lopes disse...

A única dívida, talvez,
gostosa de se enrolar!

Beijo,
Doce de Lira

Josias Geó de Paula Jr. disse...

Lindo poema!
Dívida inegociável... e que se deixa de herança.
Bom demais conhecet teu blog.