Pular para o conteúdo principal

da série: olhares

camaleônico

indeciso teu olhar de indecifrável cor. olha-me oliva, mira mel, fita furta-cor. vê?
azeita, quando não azeda. em todos os sentidos, mela. ora verde de não dar bandeira. ora âmbar, que dá liga. alguma trela.
ambígua tua íris colorida de ambos tons. mescla de musgo e folha seca. amaretto di amore. licor de menta. tea, quando [os]tenta o disfarce erva-mate com um truque toque cinnamon. suave, mente. omite, en passant.
mítico. mimético. enigmático. a seduzir o pigmento de meu olho. nu. 


~*~

eu
no seu olho
nítida

[e antes
do instante
invertida]

eu tímida
investida
de nova
espera

[de nove
horas
despida]

eu úmida
no seu chove
não molha
diluída

[na língua ambígua
do seu camaleolho
eu

traduseduzida]


valéria tarelho
Safe Creative #1104088929068


* para não dizer que só falei dos azuis 
** olhares: sigam as tags, os poemas da série estão espelhados por aí :)
*** bonus:  "Este seu olhar" [Tom Jobim], com Diana Krall no piano e sotaque.



Comentários

valeria soares disse…
Estava com saudade de ler seus versos.

Belíssimos!
Anônimo disse…
...detonou.

atropelo, apelo, apego.
a emoção (sempre refém de teu talento),
nos traz (nas tuas letras lapidadas),
muito mais que o óbvio,
aos olhos da alma,
ao toque sutil de cada pincelada na tela de suas poesias,
sensibilizam (de forma doce) o coração.

Seu bom gosto e talento, poxa, dizer o que?
Bis? Bravo!

´v`
Anônimo disse…
A beleza que crias se espalha em cada coração que te lê (decifra).

¨v¨
Rosangela disse…
Enfim a saudade se desfaz...
Brilhou Valéria, ao meu olhar, ao olhar dos que te admiram.
Bjs poéticos querida, que bom que estais de volta!
Ana disse…
Amei. Me vi. Levei para o meu blog.
Lai disse…
quanta destreza, quanta leveza, em poetar. Te leio desde sempre para me inspirar.