leitores via feed assinar feed do blogassine textura por email

11 julho, 2005

soturnez

por valéria tarelho em ,

meio que passo pela vida
meio que não
ao menos, não por inteiro

passo ao meio
em meio de tarde
e tarde da noite

pávida, ignoro
dos pássaros canoros
felicidádiva plena

: essa alvorada que acena
- ávida ave -
rompendo os grilhões
da morbidez

valéria tarelho

Bookmark and Share

9 comentários:

marvinmag disse...

di novo... lindo.

Moacir Caetano disse...

sempre maravilhoso vir por aqui...

Felipe K. disse...

Belas e soturnas imagens. A alvorada como harpia ávida. Voltarei mais.

Anônimo disse...

100SACIONAL! adoro seus escritos, Val. parabénSempre.
1bjo,
Mirella

Abner Targino Francini disse...

ainda bem.

Anônimo disse...

vi um azul..
borboleta.
dos raios vi
o azul
raio caiu
eu..asas da borboleta..

Suzana Prado disse...

Val, estamos de volta à nossa realidade azul ! Deu td certo, viu?! Apareça em minha casa...saudades de ti...bjs!

Soraia disse...

Me encantei com seus poemas...E olha que me encanto com poucos.Realmente fiquei esbasbacada.
Parabéns!E vamos trocar umas figurinhas poéticas pelos nossos blogs.
Vou passar sempre por aqui.
Abraços!

marcos caiado disse...

doce fato:
ver me aqui
(e a ti).

colhendo prazer
num bom bocado.