leitores via feed assinar feed do blogassine textura por email

22 novembro, 2015

nãovembro

por valéria tarelho em , , ,

Não vem (bro), que não tem


Estou vendo novembro passar. Se arrastar, na verdade. Lento. Inútil, já que não posso voar. Visitar o ninho. Cuidar do amor passarinho, com - muito - beijo no bico.

Espero dezembro (lado) alado. Pode ser o de sempre, acrescido da leve presença das asas que exercito há alguns meses.

Dezembro de plumas. Simples, sem paetês. Dezembro de aconchego, com a poesia que emana das mãos dadas. Toda distância será perdoada. Todo novembro - perdido - será esquecido. Dezembro promete ser mais próximo. Quase perfeito. Doce. Dose além da medida do possível. Mês doze. Dove. Que nos leva a crer no novo.

Pode acontecer um dezembro com gosto de abril, gesto de abril, cheiro de abril, gentilezas de outono. Amenas.

Dezembro com olhos de zelo, pousando seus beijos em meus cílios cansados.

Crédulos.



valéria tarelho

Bookmark and Share

Nenhum comentário: