Pular para o conteúdo principal

"E o meu, poesia de cego"


Nada como um sábado para encerrar a semana, que foi de muitas mudanças. Novos horários, bombardeios e acertos de ponteiros (fora de hora? de órbita?). Tempo de escolhas. De colher só as amoras maduras.

A sexta-feira fechou um ciclo, mas só o sábado - afastado do agito - vai dizer se o novo modo/mundo é transitório ou fixo. E passar a chave no portal do tempo.

Verdadeiro ou falso, que o sentir faça algum sentido quando, frente a frente, virar verso. Poema na veia, por capricho. Porque vício, mesmo, só a poesia que sustento com amores de brinquedo.


valéria tarelho

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

despertar

Amores e amorinhas que seguem meu blog, desculpas duplas: pelo mofo da humilde residência abandonada e pela avalanche de atualizações que farei em junho. São cinco meses de bla bla bla para publicar, tenham paciência,  compreensão e muito "amô" por mim.

Beijos, beijos!

Val