leitores via feed assinar feed do blogassine textura por email

29 junho, 2015

releitura

por valéria tarelho em

recriar nossa infância no filho que não criamos quando eu te queria tanto.
desvendar a adolescência ao brincarmos de cavar antigos tesouros em bilhetes anônimos [à bic preta, ponta fina].
experimentar o próximo beijo como quem tem quinze ânimos. um manancial de fôlego. prová-lo até dar enjoo.
estremecemos quando o terreno era arenoso. fofo, mas inseguro. morremos de ruir. hoje, no solo extremo, adquirimos a solidez dos rochedos. ainda há tempo de, 'perhappiness', rascunhar alguns planos. nos fartar de ângulos.
sim, há tempo de sobra. só folheamos alguns enredos nessas dezenas de desenganos em que não [nos] atuamos.
vem comigo, revisitar o primeiro olhar que cruzamos. o primeiro impacto, que causamos. a primeira vez que nos habitamos.
vem reeditar nosso tempero: marinada de sal, luar, sol, estrelas. a carne, tenra. uma pitada de pimenta [aquela, de lamber os dedos. lembra?].
et voilà!


valéria tarelho
dezembro/2014

Bookmark and Share

Um comentário:

Anônimo disse...

: )

v.v