leitores via feed assinar feed do blogassine textura por email

26 novembro, 2013

carta de despedida, a seco

por valéria tarelho em , , , ,


peço perdão pelas vezes que falei mal de você, mas, convenhamos, você nunca foi muito maleável comigo; geralmente seco, grosseiro, não atendia meus desejos​, se eriçava ao mínimo clima. paciência tem limite e a minha durou anos convivendo com suas manias!

confesse, ao menos na hora da partida, que você tinha vontade própria! o pouco que eu conseguia era a custa de sacrifícios, quase torturas. e xinguei, sim! xinguei mesmo até a sua quinta geração, roguei praga, perdi a conta de quantas vezes me descabelei por sua causa! mas agora que você vai, tudo se torna tão pequeno. todo o trabalho, as horas que levantei mais cedo para cuidar de você, mesmo as rusgas ou as brigas mais sérias em que só o via porque era inevitável, mesmo o seu lado bandido [armado ou preso], vai deixar saudade! e não cabe a mim impedir que você se vá. por mais que eu queira que fique, chegou a hora de encarar nossa separação.

espero poder viver sem você, e contornar a sua falta da melhor maneira possível. por fora me mostrarei o mais completa, inteiraça, com toda a força na peruca; por dentro sei que estarei um caco! ok, que na hora de dormir você não estará lá me incomodando nesse calorão, mas também não será meu manto no frio. até que você tinha suas pausas nos ataques e trazia aconchego em algumas [poucas] ocasiões!

uma coisa me conforta: não será para sempre essa nossa separação. sei que em breve você volta, no carnaval já deve estar batendo em minha porta.  e te aceito do jeito que você vier [dizem que costumam voltar diferentes]. claro que se o jeito que você vier não for do meu jeito, tentarei m​udá-lo, como sempre fiz. e, confesse: vivemos felizes até aqui, não foi? formamos uma bela dupla! tá, nem sempre, mas quase.

volta logo, vem fazer minha cabeça. deixa que eu molde você [se alguém tem que ceder, que seja você, meu doce]!


sua loira [e tantas outras que já fui por sua causa]

valéria tarelho

p.s: não te levei a um último passeio porque chove e fiz uma chapinha de despedida, você arrepia horrores com umidade! quero ter a melhor lembrança para a saudade doer mais. assim fico te chamando de volta, e de meu amor, coisa que nunca disse ao vivo.
te amo sim, amo até seus cachos e todos os embaraços que enfrentei por sua causa.
mais: amo nós!

Bookmark and Share

2 comentários:

NDORETTO disse...

Chorei. Que lindeza. A hora de juntar os caquinhos já passou. Comadre, eles virão lindos e salvos.
Comadre( queridona )Fiquei sem palavras.
abraço enorme
Doretto

Anônimo disse...

antes que o tempo pisque olhos,
tuas melenas voltam a te abraçar.


aninomo