Pular para o conteúdo principal

hiper-realismo

ilustração de Cibele Santos


para o homem
de morte
a mulher
de mente

para a mulher
de veneta
o homem
de vagar

em marte vênus
mesmo endereço
cama closet sofá

homens versus mulheres
:
so close
so far


valéria tarelho

Comentários

Dilmar Gomes disse…
Olá amiga Valéria, legal o teu poema.
Um abraço fraterno. Tenha uma linda semana.
sidnei olivio disse…
Gostei. Mande-me seu endereço para o envio do livro. Beijo.
B.Cardoso disse…
Alguma mulheres parecem ser de marte também!! Aff!!! rsrs
Lara Amaral disse…
Excelente, Valéria!

Gosto muito de te ler! =)
Ana Morais disse…
Felicidade ao te encontrar.
Belo poema!
E quem entenderá esses planetas de órbitas dessemelhantes?
Anônimo disse…
O que leva a correr à fonte?
que não trata as feridas abertas?
que não atende chamados (suplicados),
que não ouve orações, lamentos, solidão...

O que atirar a teus pés?
Que seja de joelhos, de quatro,
De todo jeito que possa te chamar a atenção?
Com abanos e afagos (desejados),
Com chamados esquecidos numa caixa postal abandonada.

O que entregar de bandeja?
Sem disfarce que camufle os sentimentos reluzentes,
Sem vergonhas, sem dignidade, sem raça, sem orgulho,
sem pedigre...
um completo vira-latas.
Adriana Karnal disse…
vc é muito boa!!! poesia levíssima!
Malu disse…
Gostei muito das palavras e do seu jogo...
Abraços