leitores via feed assinar feed do blogassine textura por email

03 outubro, 2008

retrospectiva do blog

por valéria tarelho

* não chega a ser um top ten, é apenas alguma coisinha que encontrei perdida aqui e ali e selecionei para o final de semana.

divirtam-se [ou não ;)] !

(⌒ε⌒*)



luxúria


coisa de pupila
que dilata ao vê-lo:
pele pêlo poro
corpo gosto cheiro
som de mete_
oro

tonteio tanto quanto
dedos dele tateiam
tentam tocam [traquejo]
fervo & aguo no entre_
meio

é coisa de papila
y me gusta
lambê-lo



couvert


puxe pelos
cabelos
todo verso
que ofereço

encoste as
verdades [nuas]
de costas
contra a parede

jogue no chão
os apelos
unhe o azedume
morda os medos
até que o poema uive

e caia sobre
e venha entre
e chegue junto

depois podemos jantar
civilizadamente



centúrias


eu fumo
tu fome
ele fama

nós tragamos
nossa assaz
sina



viúva negra


para cada boca
que me sorve
sirvo o mesmo veneno

vario
conforme o beijo
a dose de ar
cênico



revôo


dia desses
deixei um bilhete
na porta do freezer:
"fui ali ser feliz
e já volto"

aí saí afoita
ao encontro
dessa tal felicidoida

o curioso foi que a vi
frente a frente
o triste
é que voltei
como disse



break-even-point


mesmo o que pulsa
um dia cansa
desanda descompassa
pausa & pára

o break
nem sempre causa dano
nem sempre a quebra
repulsa
simplesmente acaba
vira nada disso
finda sem lucro
ou prejuízo

muda o disco
como se nunca
um mísero



silêncio


a não palavra
o tudo - mudo -
reticência que trava
todo acesso
obstrui o trato

texto tácito
que flui e não
cessa
em si



faro e fino trato


te adivinho
no bouquet
de um vinho tinto
:
tenho instinto
um tanto
etílico



ego


eis-me aqui
diante do espelho:
um nonsense

face
&
disfarce

eis-me aqui
um contra-senso

reflexo
&
avesso

eis-me aqui
ante meus versos:
uma antítese

imagem
&
miragem

a bem da verdade
reconheço o que viso:

um oásis de vaidade
pregando no deserto

eis-me aqui:

narciso
&
eco



opostos


sua coca light
destoa
de meu vinho tinto

seu terno de linho
desalinha
meu jeans surrado

seu cabelo grisalho
meus fios tingidos

seu olhar atrevido
o meu disfarçado

sua poesia de berço
afronta meu vício
recém-contraído

incrível
como na cama
seu universo limpo
e meu submundo ópio

rimam

Bookmark and Share

3 comentários:

Guto Leite disse...

Teus poemas são as peças que montam o sorriso e desancam o domingo de seu andar monótono. Grande abraço!

Guto Leite disse...

Teus poemas são as peças que montam o sorriso e desancam o domingo de seu andar monótono. Grande abraço!

kelen disse...

Valeria
Li sobre vc em uma reportagem da revista Bravo, resolvi conferir.Confesso que sem ar fiquei, tão fantásticos teus escritos me pintaram. Parabéns...maravilhosa

kelen