Pular para o conteúdo principal

inviolável

se sua boca
silencia
a minha grita

louca pelo sopro
de seu sim
ou o soco
de seu não

[serve até o som
de seu nem aí]

um saco
esta seca - intrínseca -
e seu lábio ao lado

selado a vácuo


valéria tarelho

Comentários

valéria tarelho disse…
bom fds !

(⌒ε⌒*)
Robson Ribeiro disse…
Poesia certeira!

Beijos!
Marte/JCarvalho disse…
Passei por aqui
e ao ler o seu
"INVIOLÁVEL"
não resisti em lhe dar
os meus sinceros parabens
bonita poesia
Desejo-lhe Feliz Semana

Abraços
Anjo disse…
Nem me fale em silêncio.
Nem me fale = silêncio!
Nem me fale e silencio.
Marcos disse…
Sou professor de literatura, e procuro me interessar por autores novos. Quais seus autores preferidos?

Marcos Azeredo
azeredo.m@bol.com.br

Rio de Janeiro RJ
valéria tarelho disse…
amigos, correria total por aqui!
semana que vem prometo (e nem sou candidata) visitas, mails e alguma poesia.

beijos, abraços!