Pular para o conteúdo principal

retirante

tão sua
como nunca
antes
outro (h
ouve)

tão sua
a ponto
de nem eu
de não (m
ais)
ninguém

tão sua
e não coube
ou soube
na sua
seca (v
ida)
ser tão
fluida

sem dúvida
com vazão


valéria tarelho

tocando em frente - almir satter/renato teixeira
(com daniel)

Comentários

Julliana Veloso disse…
Ai mainha... foi o próprio blogspot que fez esse "favor" pra mim. Perdi tudo, tudo mesmo. Só tenho aqueles salvos em Word. São esses que estou postando aos poucos. Mudei de endereço porque o anterior não ficou mais disponível para uso. Vc pode alterar pra mim nos "Elos".

Desculpa a surdina.. é que me dá uma preguiça terrível de recuperar certas coisas...

Bjos e parabéns pra você tb, claro!!!

ps: Adorei a surpresa no Orkut ;)
julinho disse…
Felix dia do Poeta!!!! minha querida.
julinho disse…
20 outubro!!
julinho disse…
Feliz quem, a sua alma destina sentimentos assim.
O sul te fez bem!
bjs
carlos willian disse…
Muito bom mesmo. Doutora Valeria Tarelho.

Que tal assinar uma coluna na Bula.

www.revistabula.com

Semanal.
Anônimo disse…
Val, pela nossa amizade, sinto-me à vontade... jamais fiz um elogio gratuito nem crítica fortuita. Esse poema é belo, a temática é boa, mas ficou truncado e o verso remate não fecha o poema, que pena.
Desculpe-me!!!!!! Não vou falar mais... Beijo
Sidnei
sandra disse…
Gostei demais deste, Valéria!! Não resisti em deixar registrado!!... Beijos