leitores via feed assinar feed do blogassine textura por email

05 julho, 2005

plano de vôo

por valéria tarelho em

onde me leva
esse indelével pensar
que não sustento
[mezzo asas
mezzo peso]
?
penso alto
[p]ouso além
não pauso enquanto

não canso
de pulsar passos
que não [c]alçarei

valéria tarelho

Bookmark and Share

10 comentários:

Antoniel disse...

Valéria, essas duas últimas estrofes: muito interessante o efeito se lidas separadas — como estão —, ou juntas. Como um paradoxo: são inteiros, se lidas em partes; são partes, se lidas em inteiro. Um beijo, AC.

marvin disse...

lindo plano... (secreto vôo de asas atadas)

Moacir Caetano disse...

prefiro voar sem plano... pular e pronto!

paulo de toledo disse...

oi, val. vim, sem aéreo planos, planar sobre tua aeropoesia. abração.

Sergio Di Fiore disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Sergio Di Fiore disse...

Valéria... eu falei que vc. iria acabar entrando pro meu time... Com calma, acho que já fez... ;o)
Saudades por férias?

Ricardo Senna Guimarães disse...

Em meu blog estou lançando a campanha "onde está Érika Vander?" Tenho um bilhete escrito de próprio punho pela poeta Cora Coralina em 1981, no qual a destinatária é Érika Vander. Trata-se de uma preciosidade. Veja mais detalhes em: http://ricardo.senna.blog.uol.com.br

Lidiane disse...

fiquei maravilhada com seu vôo.

www.ilhadenaxos.blogspot.com
www.sociedadeplanetaria.blogspot.com

Lela disse...

"não canso
de pulsar passos
que não [c]alçarei"
Gostei dos versos. Os versos acolheram as estrofes. As estrofes se perceberam poema. O poema, uma vez mostrado, viu-se nu e nos vestiu a todos com a sensibilidade de quem lhe concebeu.
Um bju, xará!

Leônidas Arruda disse...

Valéria, lindo, lindo, lindo poema. Parabéns.